Mujeres en el espacio político

Afinidades y discrepancias en las publicaciones de Twitter

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.18861/ic.2022.17.2.3133

Palabras clave:

Twitter, Gleisi Hoffmann, Joice Hasselmann, discurso de odio, cuestiones de género

Resumen

Este artículo analiza las afinidades y discrepancias entre las publicaciones en Twitter de Gleisi Hoffmann y Joice Hasselmann, diputadas federales brasileñas pertenecientes a diferentes partidos políticos: el Partido de los Trabajadores (PT) y Partido Social Liberal (PSL) respectivamente. Asimismo, tiene en cuenta los comentarios recibidos con el objetivo de observar la construcción de diálogos, la apertura de debates y el modelo de ocupación de las redes sociales como instrumentos en la búsqueda de la promoción política y la proposición de temas públicos. Se analizaron 2.866 comentarios emitidos entre 2018 y 2020, todos ellos referidos a 24 intervenciones de Hoffmann y Hasselmann, en las cuales aluden diferentes agendas políticas y se exponen cuestiones de género y la incitación al odio por parte de los usuarios seleccionados para la muestra. A través del análisis de contenido, se identificó que las diputadas recibieron comentarios agresivos por los posicionamientos políticos expresados, pero también por razones personales. Se comprobó que pocos comentarios estaban directamente relacionados con el contenido de los tuits, lo que lleva a reflexionar acerca de las restricciones de ese espacio de interacción política en la construcción de debates públicos democráticos.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Delcia de Mattos Vidal, Universidade de Brasília

Doutora em Comunicação e Sociedade, Universidade de Brasília (Brasil). Pós-Doutorado na área de Direito à Informação, Universidade do Minho (Portugal). Mestre em Comunicação, Universidade de Brasília. Professora, Faculdade de Comunicação, Universidade de Brasília. Pesquisadora nas áreas de direito à informação, jornalismo e interesse público, branding, comunicação organizacional, marketing e mídias sociais.

Danielle Siqueira De Souza, Universidade de Brasília

Graduada em Comunicação Organizacional, Universidade de Brasília (Brasil). Pesquisadora nas áreas de comunicação, gênero e política.

Citas

Aggio, C. D. O. (2015). Campanhas políticas e sites para redes sociais: um estudo sobre o uso do Twitter na eleição presidencial brasileira de 2010. Tese de Doutorado em Comunicação, Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, 2014.

Amaral, A. & Coimbra, M. (2015). Expressões de ódio nos sites de redes sociais: o universo dos haters no caso #eunãomereçoserestuprada. Contemporanea: comunicação e cultura, 13(2), 294-310.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Braga, R. M. (2018). A indústria das fake news e o discurso de ódio. Em Pereira, R. V. (org.). Direitos políticos, liberdade de expressão e discurso de ódio (pp. 203-220). Belo Horizonte: Instituto para o Desenvolvimento Democrático.

Buttler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Câmara dos Deputados (2020). Joice Hasselmann: biografia. Recuperado de: https://www.camara.leg.br/deputados/204546/biografia

Cardoso, S. C., Zago, C. & Silva, B. V. (2019). Discurso de ódio nas redes sociais. JUS.com.br. Recuperado de: https://jus.com.br/artigos/71639/discurso-de-odio-nas-redes-sociais

Carloto, C. M. (2001). O conceito de gênero e sua importância para a análise das relações sociais. Serviço Social em Revista, 3(2). Recuperado de: https://www.uel.br/revistas/ssrevista/c-v3n2.htm

Coding Rigths & Internetlab (2017). Violências contra mulher na internet: diagnóstico, soluções e desafios. Contribuição conjunta do Brasil para a relatora especial da ONU sobre violência contra a mulher. Recuperado de: https://www.internetlab.org.br/wp-content/uploads/2017/11/Relatorio_ViolenciaGenero_ONU.pdf

Costa, C. (2019). Liberdade de expressão e campanhas eleitorais. Em Costa, C. & Blanco, P. (orgs.), Liberdade de expressão e campanhas eleitorais: Brasil 2018 (pp. 10-41). São Paulo: ECA-USP.

Departamento de Estado dos Estados Unidos (2012). Uma assessoria de imprensa responsável na era digital. Recuperado de: https://static.america.gov/uploads/sites/8/2016/06/A-Responsible-Press-Office-in-the-Digital-Age_Handbook-Series_Portuguese_508.pdf

Duarte, J. & Barros, A. (2017). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas.

Figueiredo, M. G. D. & Diniz, G. R. S. (2018). Mulheres, casamento e carreira: um olhar sob a perspectiva sistêmica feminista. Nova Perspectiva Sistêmica, 27(60), 100-119. Recuperado de: https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/393/315

Freire Filho, J. (2013). A comunicação passional dos fãs: expressões de amor e de ódio nas redes sociais. São Paulo: INTERCOM.

Freire, M. L. (12 de novembro, 2020). A violência política e o crescimento do discurso de ódio nas eleições. Congresso em foco. Recuperado de: https://congressoemfoco.uol.com.br/area/pais/a-violencia-politica-e-o-crescimento-do-discurso-de-odio-nas-eleicoes/

Freitas, R. S. & Castro, M. F. (2013). Liberdade de expressão e discurso do ódio: um exame sobre as possíveis limitações à liberdade de expressão. Revista Sequência, 66, 327-355. Recuperado de: https://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/view/2177- 7055.2013v34n66p327/25072.

Fuks, R. (2020). Joice Hasselmann. Jornalista e política brasileira. Ebiografia. Recuperado de: https://www.ebiografia.com/joice_hasselmann/

Hoffmann, G. (2020). História de luta. Gleisi Hoffmann. Recuperado de: https://gleisi.com.br/historia-de-luta/.

IRELGOV (2020). Na luta por mais mulheres na política. Revista Diálogos, 7(1).

Martins, A. F. & Holzbach, A. (2011). O Eleitor tem a Força! Os Comentários dos Eleitores no Twitter e o Papel da Audiência nos Debates Presidenciais. Em Anais do XXXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Recife, Brasil.

Matos, E. O., Dourado, T. M. & Mesquita, P. (2017). @ dilmabr NO IMPEACHMENT: uma análise das estratégias de comunicação política de Dilma Rousseff no Twitter. Comunicação & Sociedade, 39(3), 61-77. Recuperado de: https://www.metodista.br/revistas/revistas-metodista/index.php/CSO/article/view/7830/6099

Oliveira, J. M. D. & Amâncio, L. (2002). Liberdades condicionais: o conceito de papel sexual revisitado. Sociologia, Problemas e Práticas, 40, 45-61. Recuperado de: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-65292002000300004&lng=pt&nrm=iso.

ONU Mulheres. (2020). Estudo conduzido pela PNUD e pela ONU Mulheres sobre direitos políticos das mulheres coloca o Brasil em 9º lugar entre 11 países da América Latina. Recuperado de: https://www.onumulheres.org.br/noticias/estudo-conduzido-pelo-pnud-e-pela-onu-mulheres-sobre-direitos-politicos-das-mulheres-coloca-o-brasil-em-9o-lugar-entre-11-paises-da-america-latina/

Presse, F. (2019). Desigualdade de gênero no trabalho só acabará daqui a 257 anos, aponta Fórum Econômico Mundial. Globo.com. Recuperado de: https://g1.globo.com/economia/noticia/2019/12/17/desigualdade-de-genero-no-trabalho-so-acabara-daqui-a-257-anos-aponta-forum-economico-mundial.ghtml

Recuero, R. (2013). Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina.

Redação JP (2017). Jovem Pan contrata jornalistas Joice Hasselmann e Felipe Moura Brasil para “Os Pingos nos Is”. JP News. Recuperado de: https://jovempan.com.br/noticias/jovem-pan-contrata-jornalistas-joice-hasselmann-e-felipe-moura-brasil-para-os-pingos-nos.html

Rosseto, G., Carreira, R. & Almada, M. P. (2013). Twitter e comunicação política: limites e possibilidades. Revista Compolítica, 3(2). Recuperado de: http://compolitica.org/revista/index.php/revista/article/view/49/51

Scott, J. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99. Recuperado de: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view

Stumpf, I. R.C. (2017). Pesquisa Bibliográfica. Em Duarte, J. & Barros, A. (orgs.), Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação (pp. 48-63). São Paulo: Atlas.

We Are Social (2020). Global Digital in 2019. Recuperado de: https://datareportal.com/reports/digital-2019-global-digital-overview

##submission.downloads##

Publicado

2022-08-17

Cómo citar

de Mattos Vidal, D., & Siqueira De Souza, D. (2022). Mujeres en el espacio político: Afinidades y discrepancias en las publicaciones de Twitter. InMediaciones De La Comunicación, 17(2). https://doi.org/10.18861/ic.2022.17.2.3133